Departamento de Psicanálise do Instituto Sedes Sapientiae

Minha foto
São Paulo, SP, Brazil
O Blog do Departamento de Psicanálise do Instituto Sedes Sapientiae é um dos veículos de comunicação em que circulam informações, produção de conhecimento, experiências clínicas e de pesquisa de seus diferentes membros. A interlocução com o público, dentro e fora do Departamento, é uma maneira de disseminar a troca no campo da Psicanálise e possibilitar a ampliação do alcance das reflexões em pauta. Fazem parte da equipe do Blog: Ana Carolina Vasarhelyi de Paula Santos, Fernanda Borges e Gisela Haddad.

domingo, 1 de maio de 2016

Conversas sobre Psicanálise e Política com Mara Caffé

Analistas cidadãos da polis

De que modo as manifestações políticas ingressam em nossos atendimentos clínicos?Frente aos relatos dos analisantes e aos ruídos agitados das ruas, como procedem os analistas? Reconhecem o assunto em sua dimensão de experiência social compartilhada ou as tratam apenas como um tema secundário e encobridor de problemáticas mais substanciais? Damos lugar ao ódio, violência, vitalidade e engajamento vividos nas ruas? 
Uma coisa parece certa: quanto mais o psicanalista toma parte na cena política do mundo, mais os acontecimentos da rua adentram o seu consultório, possibilitando e alargando os efeitos da análise. Tenho visto, com satisfação, manifestações crescentes dos analistas com respeito aos temas sociais e políticos que marcam profundamente a sociedade brasileira. Dias atrás, tivemos a manifestação de psicanalistas sediada na USP em apoio à democracia. Organizamos recentemente, em nossa casa, eventos abertos aos profissionais, militantes e instituições de fora, sobre o racismo contra o negro e sobre a ditadura no Brasil, ambos consagrados em livros que serão publicados brevemente. Temos, também, um importante trabalho da Clínica do Testemunho em andamento no Sedes. Ainda este ano, teremos o evento Psicanálise e Política, da série Entretantos. Inseridos numa prática política mais intensa, ampliamos a produção de pensamentos coletivos, divulgando nossos posicionamentos e nos firmando como analistas cidadãos da polis. Com isto, conquistamos novos recursos à escuta clínica, reconhecendo as graves causas sociais na formação dos sintomas e abrindo-lhes um espaço no trabalho subjetivante da análise. Reavemos, assim, um lugar mais significativo à experiência política no âmbito das sessões, tirando-a das margens conforme os interditos de uma teoria psicanalítica excessivamente familiarista e conservadora, embaraçada com o que supostamente ameaçaria a neutralidade - não só do analista - mas do espaço próprio da análise. Como se algum processo vicejasse na neutralidade...


Mara Caffé é psicanalista, membro do Departamento de Psicanálise do Instituto Sedes Sapientiae, professora e supervisora no curso de Psicanálise. Possui doutorado em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano pela Universidade de São Paulo (2002). Autora dos livros "Psicanálise e Direito: a escuta analítica e a função normativa jurídica" e "Crítica à normalização da Psicanálise".



Nenhum comentário:

Postar um comentário