Departamento de Psicanálise do Instituto Sedes Sapientiae

Minha foto
São Paulo, SP, Brazil
O Blog do Departamento de Psicanálise do Instituto Sedes Sapientiae é um dos veículos de comunicação em que circulam informações, produção de conhecimento, experiências clínicas e de pesquisa de seus diferentes membros. A interlocução com o público, dentro e fora do Departamento, é uma maneira de disseminar a troca no campo da Psicanálise e possibilitar a ampliação do alcance das reflexões em pauta. Fazem parte da equipe do Blog: Ana Carolina Vasarhelyi de Paula Santos, Fernanda Borges e Gisela Haddad.

sexta-feira, 23 de março de 2018

Marielle e Anderson - A voz que fica quando um corpo vai


"O assassinato de Marielle e Anderson causou grande comoção. Vejam a seguir uma breve reflexão do grupo de pesquisa e trabalho do Departamento de Psicanálise do sedes Faces do Traumático, escrita pelas psicanalista e integrantes deste grupo  Flávia Steuer, Marina Singer e Myriam Uchitel sobre este acontecimento".




Marielle e Anderson
A voz que fica quando um corpo vai

Comovidas pelo cruel assassinato de Marielle Franco, vereadora, mulher, negra,  mãe, ativista e defensora dos direitos humanos e de Anderson Gomes, cidadão brasileiro, trabalhador, pai de família, também presente como tantos outros que morreram por exercer  sua cidadania, buscando uma sociedade mais livre, justa e solidária,  tratamos de pensar como resgatar da morte do corpo, a força da alma,  a força das palavras, dos  atos e gestos. Muito já foi dito e há ainda muito a dizer na tentativa de contornar, rearranjar os cacos e estilhaços que sobram dessa cena.

Surpresa, sobressalto, bloqueio, paralisia, ameaça à vida: são nomes que definem a condição do traumático. Fragmentação culpa, raiva, impiedosa interrupção da existência. São também efeitos da quebra.

O desmentido aprofunda a ferida no tecido social esgarçado. Muitas Marielles e Andersons se somam nas ruas, enquanto nas redes sociais boatos circulam na tentativa perversa de desmentir, de desqualificar as vítimas e justificar a barbárie.

Calar uma voz com rajadas  fará o tiro sair pela culatra.

Parafraseando o crítico dramaturgo de pós guerras, Brecht sentencia: “aquele que não conhece é simplesmente um ignorante, mas aquele que conhece e diz que é mentira, este é um criminoso”.

Quando pensamos no trauma como interrupção e na  ética psicanalítica como enlace, nos perguntamos: como propiciar o enlace como psicanalistas e cidadãos?

Precisamos responder ao susto, à perplexidade, à dor, ao sofrimento humano, com palavras e ações, com construção de história, significando e resignificando fatos para que não se instalem lacunas coletivas e para que possamos
organizar respostas sociais.


Grupo de trabalho e pesquisa: Faces do Traumático
por Flávia Steuer, Marina Singer, Myriam Uchitel

Nenhum comentário:

Postar um comentário